domingo, 31 de janeiro de 2010

35mm camera in America: mission impossible



Todo mundo sabe que uma das motivações da Vicky para frequentar uma escola por aqui sempre foi a possibilidade de fazer aulas de fotografia em plena escola. Conseguir matriculá-la na escola não foi fácil. Primeiro porque a escola aqui perto não era "recomendável"; depois, se vocês lembram, ela teve que tomar seis vacinas em um mesmo dia, isso depois de conseguirmos que a clínica de vacinação daí mandasse por fax o registro das vacinas para o departamento municipal de saúde aqui. Finalmente, então, conseguimos que ela fosse aceita em uma escola, usando o endereço do Cañas - Saint Cañas. Na hora de fazer o horário, uma coisa era certa: aula de fotografia tinha que entrar.



Bueno, entre escolhas toleráveis como Física, Química, Biologia e Matemática e as não tão toleráveis como História e Inglês - sim, ela odeia Humanas; por último, conseguimos! Tivemos que abdicar de Física, mas deu certo. E o melhor, no último período, que era para ela aguentar a manhã toda com a boa perspectiva do final e, principalmente, querer voltar para a escola no outro dia - sabe, naquelas da última impressão é a que fica, ou algo assim.



A máquina já tinha sido comprada, e levado a maior parte das economias dela, uma Nikon D5000. Até um raro investimento em livros foi feito: "Nikon d5000 for dummies" e "Guide to Digital Photography".



As primeiras aulas passaram sem grandes comentários. Teoria, teoria, teoria. Depois teve os dias em que a profe não foi, aí foi aquele relato do filme velho e chato em que ela dormiu - e a motivação por água abaixo.


Bom, na sexta-feira, depois de buscá-la, já em casa, ela me passou aquilo que seria a tarefa de gincana do fim de semana; lá do fundo da bolsa, junto com papéis de kit-kat comido, saquinho de salgadinho vazio e moedas, ela tirou um bilhete que dizia "YOU MUST HAVE YOUR 35mm CAMERA BY FEB 3rd OR YOU WILL NOT BE ACCEPTED IN CLASS" (Você deve ter sua máquina 35mm até dia 3 de fev, ou não será aceito em aula). Ela me passou aquele bilhete amassado, cheirando a Doritos e, como em um passe de mágica, o problema era meu, eu tinha que arrumar uma máquina de filmes até dia 3.



Eu sei que deve haver um ponto em que deve se determinar que nem todos os problemas de nossos filhos são nossos problemas; é óbvio que não serão eles a fazer isso, e eu? acho que me perdi na curva.



A tarefa, portanto, estava posta, e por mais estranha e decepcionante que soasse - ela teria que deixar de lado sua super máquina e voltar para a xereta, não imaginávamos que seria como achar agulha no palheiro, impossível.



Procuramos nas lojas do shopping, no Walmart e supermercados do gênero e seguimos a dica da professora atrás de um tal Rob's camera. O Rob's tinha se mudado, e quando finalmente achamos, só tinha uma máquina usada, US$100,00. No way!



No mesmo centro comercial em que estava esse Rob's, encontramos uma loja que era a nossa cara: One Dollar Store






Entramos. Fazer o quê? Não custa dar uma espiada, quer dizer, no máximo um dolarzinho, né - a Vó Marli conseguiu gastar 50,00. O mais interessante é que lá, nessa loja, tinha máquina de filme, por 1,00. Resolvemos que a profe não era isso que a profe tinha imaginado quando disse oara não gastar muito na máquina. Não compramos e seguimos o Domingo na busca, até no Sears fomos, eu tinha visto no site deles alguma possibilidade. Nada.


A busca então continua, A kika vai ter que vencer a vergonha e perguntar para a profe dela onde se encontra um artigo raro como uma máquina de filme de rolo na América e saber se uma de 1 dollar serve - essa é a parte que ela tem mais vergonha.


Eu fico só pensando naquela maquininha Hotwheels do Oscar atirada naquela sala de brinquedos em São leopoldo, cairia como uma luva. E a motivação... bem, prefiro não comentar...

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

descobrindo praças...e se divertindo bastante

Bem, aos poucos, depois que aquele frio recorde passou, depois que vamos nos acostumando com a cidade, vamos à procura de lugares para curtir. Nada melhor que praças, não há nada que faça o Caco mais feliz - nem um monte de batatinhas com "quépchupi".


Indo para a escola do Léo todos os dia passamos por uma praça mito legal, essa semana resolvemos dar uma paradinha - sabe, enquanto o vô marco e a vó Marli estão no shopping tomando seu Starbucks pós-almoço e ainda temos uma hora até buscar a Kika. ADORAMOS!


video




A praça é grande, cheia de árvores e brinquedos. O chão é coberto de pinhas..




Onde estão os gnominhos???



Esperamos a Isa e a Bel para aproveitarem também!

E tem esquilinhos!!!!

Olhem o blog do Léo, ele fez essa foto emuitas outras.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

O Dia Da Marmota


Eu na minha rua de Pensacola , quando entro em uma casa e encontro meu pai , eu dou o maior abraço do mundo nele , aproveitando para acabar com as saudades , me sentindo no lugar mais confortável do mundo , eu saio por outra porta , onde saio? , adivinha aonde ? no sinodal , encontro todas minhas amigas e derrepende , indo para a casa da suzi , meu pé é puxado , é eu tava sonhando , no meio décimo sono e acordei com a minha mãe , puxando meu pé para me acordar , finalmente , eu não acordei com os passos do oscar e do leo na escada ou com o barulho do secador da minha mãe . Mais um dia na rotina Pensacoleana , 6:30 acordar , me olhar no espelho , parecer uma meduza e um pão de tão inchada e de tão embaraçado meu cabelo tá , até pareço a bebel , tomar banho , 3 horas penteando o cabelo ,secar o cabelo , botar o relógio , mudar a roupa que eu tinha planejado vestir ,arrumar minha mochila , esperar o leo , 7:15 sair de casa , ir para a escola do leo , esperar o leo , eu e minha mamãe querida vamos para o dunkin donut's pegar meu lunch , alias eu tenho dois lanches , uma para comer durante a aula , donut's , um que minha mãe faz para mim comer as 11 e 25 , 7:48 vamos para minha escola e lá ficamos dentro do carroaté o partão abrir , as 8:20 , eu vou as 8 e 25 para a minha homeroom , lá tem uma tv que passa o que esta acontecendo na escola hoje e o hino dos Estados Unidos , 8:39 vou para a aula de história , que eu ainda não busquei o livro , depois vou para english e depois chemistry honors , que para mim é muito bom porque eu já aprendi a matéria , depois lunch , o meu é o A o mais cedo , depois algebra 2 com o professor mais louco que eu já vi , ele fala portugues , ou melhor falava , ele confundiu tudo quando aprendeu espanhol , ele ama o brasil e tem até coqueiro n sala de aula , depois eu tenho biology , que a professora é muito querida e e ajuda um monte e por ultimo , 2:10 aula de creative photo , que hoje vimos um filme , professora não tava , eu dormi a aula inteira , amanhã eu tenho prova de quimica , alias , hoje ai , eu aprendi a materia já , eu sei então to tranquila , as 3:05 eu caminho até o Sam's , uma loja na frente da minha escola , minha mãe ta estacionada lá , vamos até o shopping buscar o vo marco e a vo marli , TODO DIA eles tão no shopping , ai vamos para casa ou no supermercado , hoje fomos no supermercado , agora eu to aqui escrevendo para vocês e amanhã vai ser a mesma coisa podem ter certeza , eu tenho os mesmo horários , o vô marco e a vó marli vão estar no shopping quando eu voltar da aula e minha mãe vai se extressar em algum momento do dia , o leo e o oscar vão aparecer nus pela casa , em algum momento do dia e eu vou reclamar em um momento do dia , só o que vai mudar é a saudade , que cada dia aumenta . Amo vocês

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

E o Oscar?... numa boa!

Na minha família, meus irmãos vão para a escola sozinhos, enfrentam muitos desafios e se sentem burros por não saberem uma língua...



minha mãe e minha vó tem uma pilha de livros para ler e trocam turnos
indo para o instituto fazer pesquisa...
então o que tu achas que sobra para mim, que não tenho aula nem pesquisa?
eu?
Fico na boa!!!!


Afinal alguém tem que se divertir tranquilo nessa família, não é?
Ainda mais nas férias!!!!









sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Um dia na nova rotina - by Vevi

Então, o despertar é às 6:15am, quando eu saio sorrateiramente do quarto - sim, continuamos dormindo os 4 acampados no mesmo quarto. Desço e vou tomar banho e passar um café. É quando penso que vou entrar no banho que ouço passinhos na escada: a trupe acordou!


A Vicky diz para eu tomar banho logo proque ela tem lavar o cabelo, desembaraçar e secar; o Léo espera o pote de cereal matinal, que tem sido o café-da-manhã dele e o Oscar começa a perguntar se vai demorar ainda para a hora do Léo ir para a aula.


Saio do banho, a Kika entra, o Léo vai para o banho dele, e o Oscar, mesmo que não vai a lugar algum, decide entrar no banho com o Léo - que "adora" a idea. Bueno, para que eles possam se vestir é preciso dar um jeito no acampamento. A briga da roupa começa porque ás 7h (7º) é frio e ás 2pm, é quente (20ºC). Então ele quer ir de camiseta, mas ele tem que colocar casaco!











Então, é fazer o sanduíche da Kika, que ainda não se encorajou a encarar a cafeteria da escola. Não sabe onde sentaria, não tem com quem conversar e não sabe como que faz para pegar o lanche. A Kika não toma café, nem no Brasil.
É hora de sair: 7:10. A Marla desce para chamar o Oscar e dar tchau para os estudantes. Entramos no carro, ouvimos um rádio e geralmente são 15min de um silêncio de sono e, ainda, daquela vontade de não ir.



Chegamos na escola do Léo, Scenic Heights Elementary School, por volta de 7:30, a escola é longe. Pensacola é enorme, para chegar lá, atravessamos boa parte da cidade. Mas vale a pena, a escola é boa, é a única de Pensacola que tem programa especial para estrangeiros. Bueno, lá, a Kika fica no carro e eu e o Léo descemos - ele ainda não sabe o caminho da sala dele. Quando está tudo bem: beijinho, boa aula e até às 2h! Senão, uma boa dose de estímulo, se não funciona, é na chantagem mesmo: "vamos voltar para São Leopoldo, então?!" - Ele tem ido numa boa, tem um colega bem divertido que ele gosta.
Então, rumo á escola da Kika. A Kika só suspira, tenta não reclamar, mas não está fácil para ela. A escola é grande, não tem programa para estrangeiros - a única que tem é aquela "não recomendável" aqui perto; ela não queria ir lá, nem pensar! Então vai nessa, que a melhor daqui - também meio longe, afinal, sabe que poderia ser pior e nós fizemos um esquema enorme para que ela fosse nela. Chegamos na escola dela às 7:55, ficamos dentro do carro até uma 8:15, ela pode entrar na sala ás 8:20 e aula começa às 8:30. Alguns dias ela vai mais bem humoradinha ou conformada; outros, é mais sofrido.
É difícil, como mãe temos que acreditar neles mais do que eles mesmo acreditam, temos que fazer apostas, confiando que tudo vai dar certo, de que vai ser bom para eles, mas é uma escolha só nossa. Assim me sinto, no caminho de volta, sozinha, sinto o aperto no coração de quem confia em si e em Deus de estar fazendo a coisa certa. Sei que com o tempo tudo vai melhorar, mas enquanto isso...



Chegando em casa, tomo café com o Oscar, a Vó Marli e o Vô Marco e sigo para o instituto, que é do outro lado da rua. Lá é muito bom de trabalhar; vou para minha sala, que tem uma janela com uma vista verde, pego mais um café e consigo me concentrar e discutir minha pesquisa com o Cañas.
Pelo meio-dia, atravesso a rua e volto para casa. Geralmente saimos para almoçar alguma coisa antes de chegar a hora de buscar o Léo. A vó Marli e o vô Marco ficam no shopping - que é no caminho e o Oscar e eu pegamos o Léo. Damos um tempo e pegamos a Kika. Depois de pegar a Kika, pegamos a a vovó e o vovô no shopping vamos para casa.
A essa altura, já são 4h e o dia parece já terminar - 5h é noite fechada!
Em casa, temas, janta, internet e, pelas 8:30: cama.

Enfim, tudo certo, tudo andando como era para ser... todos bem, todos felizes - apesar dessa coisa da escola, graças a Deus!


ps: recomendo o blog da Kika e o do Léo, pois foram atualizados.
Esse blog apresentará as versões do Leó, da Kika e do Oscar desse dia em postagens posteriores: aguardem!


quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

ninguém disse que ia ser só shopping, hamburgers e passeio

Ninguém disse que iria ser fácil: entrar em uma escola nova, grande e onde todos se entendem menos você não é moleza mesmo...

A primeira vontade que dá é sair correndo, chorar, convencer a mãe de que não queremos ir...

A segunda vontade que dá... é idem à primeira...

A terceira, a quarta, a quinta... ainda serão assim.

Mas quem consegue convencer uma mãe que já enfrentou tantas situações em que dava vontade de sair correndo, para chegar, por exemplo, até aqui?
Então, não adianta, o negócio é enfrentar o medo, a dor de barriga, a vergonha e quantos mais leões que vierem pela frente.

E assim, dia após dia, tudo vai ficando menos difícil, mais tolerável...

A Vicky, depois de dias e dias de borboletas na barriga, dizendo que não queria ir para a aula, agora vai estudando, tentando, do jeito quieto dela, adaptar-se à escola e aprender, o que quer que seja que a escola, a mãe, a vida quer ensiná-la.

O Léo, que estava empolgado, deu para trás. Foi para a escola, no segundo dia, arrastado, usando de todo seu encanto para fazer abalar o coração da mãe - bem onde ele se abala mesmo.
Mas foram fortes, ambos, e ele limpou o rosto choroso, levantou a cabeça e entrou na sala da Miss Bullard.


A mãe, bem,... a mãe fica a manhã inteira com o coração apertado, pedindo a Deus que os proteja e, enquanto isso, tentando estudar ela também... mas com uma vontade de sair correndo, buscá-los dizer: "chega! vamos mesmo só nos divertir"....


O Oscar sente falta dos irmãos, mas tem o vô Marco. Eles saem para jogar bola, ir na praça e depois, cada um no seu computador... trabalhando.
As fotos foram recuperadas e o vô Marco ainda empresta a máquina para, aliás, diz que o Oscar também tem jeito para fotografia.





Enfim, tudo dentro do esperado, todo mundo sabia que não seria fácil..















terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Niver da Marli!!!!

O dia comecou cedo, gracas a voces que acordaram a familia as 6 da manhã... tudo bem... o problema e que nao foi bem para o celular dela que ligaram, foi para o meu... assim, acabaram com os meus creditos, pois tambem pagamos quando recebemos ligacoes...


bueno, tudo bem, a Marla merece!





Os guris ja levantaram e formam entregar presentes e cartoes.



Como estamos chiques, ela ganhou coisas finas, so marcas como Nine West e Tommy - uma bolsa vermelha da Tommy - que nos achamos que a Suzi vai querer negociar com ela; uma carteira verde da Nine West e um colar escrito LOVE, também da Nine West - do Leo, e claro - um amor ele que achou e escolheu... tudo da nossa loja favorita: Ross.










O almoco foi no Fridays, comemos hamburgers, peixe com fritas, bifes e os guris tomaram um negocio azul com muito gelo...




Aniversario nao pode passar sem bolo e um bom parabens, nao e? Tudo bem cheio de cobertura e confeitos coloridos...


Um dia de sol, de presentes, de almoco especial, de velinhas que insistiam em acender denovo e denovo... muito legal!




Fomos dormir cedo, amanha comecam as aulas do Leo e da Vicky, temos que sair de casa as 7, pois o Leo tem que estar la as 7:15 para conhecer a profe dele.

Sim, a Vicky continua cheia de borboletas na barriga com medo de se perder, de ser excluida, de nao entender nada, de tudo que ela nao sabe como vai ser exatamente. Mas tudo vai dar certo!

Amanha ela mesma vai contar como foi.


Peco desculpas pelos problemas no texto, tive que usar o computador do Caco, nao tem acentos.



Beijos e a Marli adorou e agradece todos os comentarios...

A marli agora esta viciada em facebook, voces encontram ela la tambem :)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Martin Luther King' Parade

"(...)Eu tenho um sonho de que, um dia, nas rubras colinas da Geórgia, os filhos de antigos escravos e os filhos de antigos senhores de escravos poderão sentar-se juntos à mesa da fraternidade.
Eu tenho um sonho de que, um dia, até mesmo o estado de Mississipi, um estado sufocado pelo calor da injustiça, será transformado num oásis de liberdade e justiça.
Eu tenho um sonho de que meus quatro filhinhos, um dia, viverão numa nação onde não serão julgados pela cor de sua pele e sim pelo conteúdo de seu caráter.


(...)
Quando deixarmos soar a liberdade, quando a deixarmos soar em cada povo e em cada lugarejo, em cada estado e em cada cidade, poderemos acelerar o advento daquele dia em que todos os filhos de Deus, homens negros e homens brancos, judeus e cristãos, protestantes e católicos, poderão dar-se as mãos e cantar com as palavras do antigo spiritual negro: " Livres, enfim. Livres, enfim. Agradecemos a Deus, todo poderoso, somos livres, enfim!"
.





"Eu Tenho Um Sonho" é o histórico discurso público feito pelo ativista político Martin Luther King no qual falava da necessidade de união e coexistência harmoniosa entre negros e brancos no futuro.

O discurso, realizado no dia 28 de agosto de 1963 , foi um momento decisivo na história do Movimento Americano pelos Direitos Civis. Feito em frente a uma platéia de mais de duzentas mil pessoas que apoiavam a causa, o discurso é considerado um dos maiores na história e foi eleito o melhor discurso estadunidense do século XX. (fonte wikipedia)

Hoje foi feriado nacional pelo dia de Martin Luther King. Nós, profundos admiradores dele, sonhadores como ele - nem tão ativistas quanto gostaríamos ou teríamos coragem, também temos um sonho e em muitos sentidos, da maneira como podemos, tentamos transformar esse sonho em realidade. Como ele, nós temos um sonho para nosso país, nós queremos um país de menos pobreza - social, econômica, cultural e espiritual; menos injustiças, menos desigualdade e mais solidariedade, mais dignidade, mais humanidade... mais educação.

Certamente educação não é o único meio de transformar o Brasil em um país de oportunidades e bem-estar para todos, mas é a maneira que nós, educadores dessa família, entendemos que podemos nos dedicar e colaborar todos os dias, em cada sala de aula, a cada pesquisa, a cada viagem para fazer esse nosso sonho realidade.

Fomos ao desfile, que aconteceu bem perto de onde moramos, na parte histórica da cidade. Estava muito legal, desfilaram escolas, igrejas e comunidades negras.

As crianças pela rua levavam até sacolas para carregar as balas, colares e brinquedos que o pessoal que desfilava ia jogando; as balas cobriam as calçadas e a criançada ficava faceira - as nossas inclusive, inclusive a Marli, que acenava para que lhe atirassem mais e mais colares e balas. Tudo muito divertido e alegre.




Aqui, as balas e colares que as crianças - Oscar, Léo... vó Marli e tia Vevi - cataram no desfile.

Onde estão Obama e Martine Luther King?


sábado, 16 de janeiro de 2010

O novo favorito: MacGuire's

Então o sábado foi de chuva... primeiro foi hora de fazer a faxina da semana, é, dela ninguém escapa... aqui não tem Maria, nem Cátia, nem Verani, nem Méh.



Bueno, depois, como recompensa, e como é sábado: um bom almoço é merecido!



Desta vez fomos para uma extravagância, não das mais terríveis, mas um pouco mais que um Mac: MacGuire's



























MacGuire's é um restaurante irlandês tipo Outback. Lá se come bifes e hamburguers. A Marli, como sempre se comporta em uma casa de bifes, comeu sanduíche de peixe. O Vô Marco ia pedir um hamburguer chamado "Garbage Burguer" (Hamburguer de lixo), a ideia é que era mais ou menos como o nosso Xis-tudo (o Bork já comeu). Só que era tudo mesmo, aí a garçonete perguntou se ele sabia que vinha com sorvete e fudge na mistura, ele repensou - fica para outro dia - ahhhhhrgh!!! Éccccaaaaaa!


























Ah, gente! Sábado poooooooooooooode!!!!


Perceberam o dinheiro no teto? É isso mesmo, notas de US$1.00. Cada um pode colocar uma nota e deixar seu autógrafo, nós ainda ficamos meio tímidos para fazer isso.




Acho que estamos meio pão-duros, mesmo. Na verdade, as crianças estavam com vontade de passar a mão naquele teto e dar uma puxadinha em algumas. Sabe, para um chiclezinho, um salgadinho...




O mais incrível é que parece que todos os anos eles tem que contar tudo para declaração de taxas e seguro... parece que chega a quase um milhão... oh tentação!!!Também tem esses alces enormes, os meninos adoraram.
Ah, e uma lojinha, de onde eles tiraram os enfeites todos - e não compraram nenhum.



No mais, a do dia foi que o vô Marco emprestou a máquina para o Oscar ele conseguiu apagar TODAS as fotos da máquina do vovô - imagina a situação...


Ps: a Vicky ficou chateada que ninguém visita o blog dela e que ninguém comentou na postagem que ela fez essa semana (e tava boa mesmo!) Então, pleaaase... tomem o tempo, ela adora a família, mesmo que, como boa teen que é, talvez faça tudo para não deixar isso tão claro.



saudades de todos!!!!






quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Para a postagem de hoje: comida!!!!!


Pegamos a máquina,  abrimos armários e geladeiras: veja você mesmo o que encontramos

Alguns dirão: nossa! devem estar ficando roliços;
outros dirão: que bom, não estã passando fome;
outros ainda: queria tudo isso na minha frente agora!



Sirva-se



Bem, é claro que não comemos tudo  ao mesmo tempo :)

Adivinha quem come o que se você for capaz!

(dica: a Vicky esqueceu de mencionar algumas coisinhas quando falou de sua dieta à base de croutons)



Sim, a casa é chique,
a cidade é chique,
mas o supermercado continua o mesmo: Walmart!
(pobre é pobre, sempre fiel às boas marcas)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

AGORA É A MINHA VEZ ...



Estreiando a maquina em dos lugares mais bonitos do mundo , em um dia de menos frio em Pensacola Beach. O que eu to achando disso tudo ? A cidade é maravilhosa , a praia ta quase chegando perto de fernando de noronha , de tão linda , aaa se alguém achou que eu ia voltar uma bola , pode deixar que já enjoeei de hamburguer , agora eu só como cruttons . A nossa casa é linda e grande ,  tem bastante espaço para vocês todos vierem para cá . Que é concerteza o que mais ta me fazendo falta aqui , tudo seria ainda melhor com todos vocês , as bagunças e os almoços de domingo .Esse lugar me lembrou aqueles filmes bem americanos em uma mistura com gramado e canela , amercanos , como a minha escola que é igual a todos os filmes que eu vi , alias a coisa que eu mais tenho medo , até mais do que aquele avião teco teco que nos viemos , é a escola , eu não quero ser excluida . Estou treinando meu inglês em livros da 4 série para superdotados que minha mãe comprou para mim . bom , amo vocês estou com muitas , muitas , muitas saudades , vão olhando minhas fotos no meu blog que o link ta em veja mais aqui do lado >>>
A hoje eu tome a vacina da H1N1 , e fomos na ROSS GIGANTE (foto mais abaixo), para mim torrar o resto do meu dinheiro , jantamos donut's e minha camera é maravilhosa , amei , beijos espero estar logo logo ai denovo com vocês , no meu são leoforno , amado , rezem por mim dia 21 , que é quando eu vou para escola , beijos e desculpem meus erros de português , mas sabe como é , não é o meu forte .



Para quem pediu foto do vov's marco ,  ele e sua neta linda e maravilhosa




Eu e varias ocasiões , mas o frio de Pensacola sempre presente , foto 1 , é no Mc guires , o restaurante onde tem dolar pendurado em tudo que é lugar , a foto com a mamis é na pracinha , no fundo da foto é a nossa rua , a foto com as luvas pink é na frente do nosso hotel  no pôr do sol , fiz minha mãe fazer uma indiada para tirar foos  já que eu tinha passado o dia inteiro procurando CARROS  , a foto com a bandeira é na frente do nosso hotel e foi a primeira foto em Pensacola e a ultima é na frente do nosso hotel , no mesmo dia .




Duas pragas em SALE , alguém quer comprar ?




A loja que comeu o meu dinheiro TODO  , estou aceitando colaborações no meu aniversário entenderam ? 13 de jan

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

A pedidos: Léo by Léo

Um grande homem: Luis Felipe Scollari


Volta para o Grêmio, VOLTA FELIPÃO!!!!!

(eu pedi!)


I LOVE MY MAC







VOU CAIR, VOU CAIR !!!

Eu cheio de roupa brincando na praça, a areia parece neve, e até que está gelada mesmo.




AAAAAAHHHHHH!


I love my sister!!!!!!






SENTE A POSE!!!






Quer mais??... visite meu blog:




leonardomoreiraslife.blogspot.com








domingo, 10 de janeiro de 2010

Ainda no frio recorde de Pensacola...

Na frente da casa nova, sentados na soleira, -2ºC, congelando os bumbs...

Abraçando o amigo, a quem via voando, junto com o Batman, pela janela do avião.



Será Ana Maria Braga? Será Rosaura Fraga?

Não! É a Marli pilotando a cozinha da casa nova -

e sentindo falta da Cátia.

Todo caso, estava bom.

Foi a primeira e única vez que comeremos bifes na casa do arquiteto,

quase tocou o alarme da fumaça.



Comprar o carro foi fácil, difícil é aprender a botar gasolina no "self-service".

Vinte minutos, muitas vezes voltando dentro do posto para fazer perguntas fundamentais, tão elementares para qualquer um.

Enfim, paga antes, pode ser com cartão na própria coisa da bomba, abre a tampa do tanque, pega a bomba, destrava um negócio onde a bomba descansa, coloca a bomba no tanque, aperta o gatilho na bomba - não precisa ser com muita força, sem apertar até o fim, e espera, quando parar, é porque atingiu o valor pago... parece simples? vem tentar, vem...




Só nós na rua, banquinho da praça...

bonitinhas, desfarçando o frio de tremer as paletas.

E para quem quer saber do Léo e do vô Marco que não tem aparecido, bem, o Léo fará uma postagem cheia de fotos e comentários feitas no estilo Léo by Léo amanhã nesse blog... aguardem!

Quanto ao vô Marco, sabe, tem toda aquela história de marketing pessoal, preferimos preservar sua imagem... (brincadeirinha)



sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

enfim, motorizadas!







Procurar carros usados para comprar é sempre desgastante, começa-se com um orçamento e dificilmente se consegue ficar nele. Procurar carros aqui não foi diferente. Os carros são famosos por serem baratos por aqui, mas tivemos muita dificuldade em encontrar algo confiável, grande e com bom preço. O governo, assim como no Brasil, parece ter dado algum tipo de incentivo em termos de juros para a compra de carros novos, portanto há carros usados às pencas.




São dezenas de lojas, quer dizer, loja, loja são poucas, na verdade, são dezenas de pátios cheios de carros, que, sinceramente, não convidam a entrar, ou confiar.




Ainda assim, fomos a alguns desses. Pisando no barro, entre um carro e outro, achamos uma Rodeo da Isuzu. Nossa primeira escolha. Na hora de comprar, o preço era outro e repensamos aquele lugar. Desistimos. Então fomos a um lugar bem apresentável ver uma Ford explorer perolada. Parecia ótima, quase foi nossa. Pena que não passou na inspeção que o mêcanico do Cañas indicou. "Vazamento de óleo e possobilidade de fogo", não precisou dizer mais nada.




Já pensando em continuar de taxi ou voltar para a possibilidade do aluguel de um carro - ambos a preços inacreditáveis, fomos a um último lugar indicado pelo mecânico.




Lá, carros novos entre 12 e 25mil, muitos e lindíssimos - nada para a nossa bolinha. Encontramos um vendedor chamado Adonis que valeu o dia, um daqueles afroamericanos grandes, simpáticos e bem humorados. Disse que ia achar, naquele pátio imenso, um carro para nós. A Marli estava "achada", ela e o Adonis se entenderam muito bem, ela dizendo que não queria um "limão", equivalente a nosso "abacaxi", ele dizendo que não ia vender nada "azedo" para ela, mas que ao preço que queríamos, era didfícil não "azedar".




Enfim, depois de zanzar pelo pátio, nos deparamos com uma explorer que ele nem sabia ou lembrava que estava lá. Preço bom, carro com boa aparência, ... chances de "azedar", algumas. Levamos novamente ao mecânico, uma mecânica longe, no meio do quase nada em uma auto-estrada. Um lugar movimentado, que parceia nunca ter sido limpo em longos anos de existência. Pessoas simpáticas, trabalhando numa boa, e tentando ajudar essas "ladies" que precisavam achar um carro para levar as crianças para lá e para cá. O carro estava razoável, dava para levar, duraria 4 meses se problemas, foi o que disseram. Não queríamos ouvir mais nada, decidimos. A Marli a essa altura, sentada no escritório imundo com um gato gordo, enorme e sujo, mas lindo, bem acomodado em seu colo, ela numa mistura de medo que o bicho a mordesse e nojo da sujeira do gato.




Chegamos na concessionária já pelas 6h. Nosso vendedor nos esperava, queria vender o carro e queria ir para casa assitir a um grande jogo, a final do campeonato regional, o time em que ele mesmo tinha jogado na universidade. Sob essas corcunstâncias, fizemos uma proposta e eles toparam na hora - queria muito assitir o jogo!




Enfim, temos um carro, agora é torcer para não"azedar", pelo menos por esses meses.




Encontar o carro foi difícil, realmente desgastante, mas encontramos o carro, e além do carro, encontramos um mecânico que assobiava em seu trabalho no fim de um dia cheio e que acabava em chuva; encontramos um vendedor que nos fez rir na chuva depois de um dia de procuras frustradas. Tudo isso acompanhadas do importante, renomado, concorrido e ocupado pesquisador de ciência cognitiva Cañas, tão simples, tão amigo, tão latino.




Também encontrei um avô, disposto a ficar com as crianças durante dias inteiros, paciente e amoroso - esse foi o maior achado, para mim, para as crinças e para ele.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

cenas do frio, da casa e da ponte



Eis a casa! Muito bonita, chique e mobiliada, agora é só cuidar para os anjinhos não destrui-la...


Ao fundo, a ponte que leva à praia, tem 2km. Aqui, atravessamos a rua do hotel, é um calçadão para caminhadas e jogging








Cenas de plantas surpreendidas pelo frio intenso, incomum na Florida.